sábado, 6 de novembro de 2010

Luto.

Perdas Necessárias
Fábio de Melo

Deixa partir o que não te pertence mais
Deixa seguir o que não pode voltar
Deixa morrer o que a vida já despediu
Abra a porta do quarto e a janela
Que o possível da vida te espera
Vem depressa que a vida
Precisa continuar
O que foi já não serve é passado
E o futuro ainda está do outro lado
E o presente é o presente
Que o tempo quer te entregar

Fala pra mim, se achares que posso ouvir
Chora ao teu Deus
Se não podes compreender
Rasga este véu do calvário
Que te envolveu
Tão sublime o segredo se esconde
Nesta dor que escurece o horizonte
Que por hora impede
Os teus olhos de contemplarem
O eterno presente no tempo
O ausente presente em segredo
Na sagrada saudade que o deixa continuar

Deixa morrer o que a morte já sepultou
Deixa viver o que dela ressuscitou
Não queiras ter o que ainda não pode ser
É possível crescer nesta hora
Mesmo quando o que amamos
Foi embora
A saudade eterniza a presença
De quem se foi
Com o tempo esta dor se aquieta
Se transforma em silêncio que espera
Pelos braços da vida um dia reencontrar.


 Amigas, 
Infelizmente meu sogro, Sr. Armando, faleceu hoje pela manhã.






6 comentários:

Liza disse...

Sinto muito amiga! q Deus o tenha na sua gloria. Muito animo p o seu B, e da um abraço amigo por mim q um abraço nessa horas sempre sao benvindos. Beijos p vc.

Cris disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cris disse...

Que Deus conforte vocês...

Bjs!!!

Erika disse...

Jo querida,

Numa hora de dor como essa não existem palavras suficientes para consolar voces, especialmente seu marido.
Mas pense que seu sogro está num lugar lindo, em paz, depois de cumprir lindamente sua missão na Terra.
Um abraço carinhoso

Lili disse...

Querida, sinto muito.
Mas tem a certeza que quando olhares para o céu ele será uma estrelinha brilhante lá no alto a olhar e a zelar por ti e pelos teus...

Fernanda disse...

Os meus sentimentos, Jô.
Vou incluir-vos, nas minhas orações.

Um abraço.